DestaquesFixoMato Grosso do SulNotíciasPolítica

Ribas vive expectativa de boom imobiliário com instalação da maior fábrica de celulose do mundo

Agnelo Carneiro, dono de loja de materiais de construção

Com cerca de 25 mil habitantes (IBGE 2020), Ribas do Rio Pardo vive a expectativa de um boom imobiliário por causa da instalação da nova fábrica de celulose da Suzano, anunciada ao mercado na semana passada. A unidade, que promete ser a maior do mundo, vai receber investimento de R$ 14,7 bilhões e gerar 10 mil empregos diretos até 2024, durante a construção. Depois de pronta, a indústria terá pelo menos três mil operários trabalhando.

Por causa do início da construção, que já começou com o serviço de terraplanagem, o setor imobiliário se aqueceu e já demonstra crescimento, com empresas interessadas em atuar na cidade, além de já aumentar a movimentação para compra e venda de imóveis. “Os preços já subiram e já temos pessoas de outros estados nos ligando para avaliar imóveis, com chamadas até de madrugada”, revelou Fábio Ungaro, dono de imobiliária na cidade.

O produtor rural Romeu Pires ressaltou que esta nova realidade da cidade vai ajudar todos os setores, valorizar os imóveis e propriedades da cidade. “Vai ser bom para todo mundo e até dobrar a população do município”, acredita ele.

Agnelo Carneiro, dono de loja de construções, contou que seus funcionários inclusive já fizeram treinamento com a empresa Suzano, responsável pela nova fábrica, para ser fornecedor e vender para empresa. “Para atendê-los deve se cumprir uma série de requisitos e já estamos preparados. Nossas vendas já aumentaram em 30% e acredito que irá subir ainda mais”.

Comércio

Natalícia Martes e Marlene, dona de hotel

Comerciantes e moradores de Ribas do Rio Pardo também estão confiantes e eufóricos com a instalação da nova fábrica de celulose da Suzano. Eles acreditam que o empreendimento vai mudar a realidade e alavancar a economia da cidade.

A expectativa é aumentar as vendas, ampliar os locais de comércio e ainda dispor de uma cidade com mais investimentos da iniciativa privada, junto com melhor infraestrutura implantada pelo poder público, para atender esta nova dinâmica econômica.

“Estamos confiantes que o comércio vai melhorar e a expectativa é muito positiva, até porque ficou bem parado o movimento durante a pandemia, mas já está melhorando e a tendência é crescer as vendas com a vinda da fábrica”, disse Lara Gotis, proprietária de uma loja de móveis.

Natalícia Martes, que atua no ramo hoteleiro há 50 anos no município, ressaltou que a obra será um grande benefício para toda a população. “Vai trazer movimento e melhorar a economia da cidade, os hotéis por exemplo já estão cheios. Há muito tempo esperávamos por esta boa notícia e assim vamos suportar a crise”.

Ajuda e cooperação

Prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze

O prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, disse que terá a parceria do Governo do Estado para melhorar a infraestrutura da cidade, e assim atender a demanda desta nova realidade social e econômica.

“O governador se prontificou em nos auxiliar na pavimentação de estradas, ampliar o hospital municipal, aumentar o efetivo policial e outras obras. Temos um bom diálogo”, mencionou o prefeito.

Danieze ressaltou que a cidade terá que ampliar o número de casas, aumentar a rede hoteleira, assim como criar locais de lazer. “Temos a necessidade de mais 2 mil casas, já tem dois alojamentos sendo construídos e vai precisar de mais, pois no auge da obra teremos 10 mil empregos abertos na cidade”.

Capacitação

Titular da Semagro, Jaime Verruck

O titular da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck, ressaltou que será feito um levantamento das microempresas da cidade, com visitas e orientações, assim como parceria com o Senai na capacitação da mão de obra local.

“Também vamos mapear as oportunidades de negócios, para atender este forte crescimento. É importante que a população e os empresários estejam preparados para atender a demanda e entendam este novo movimento de geração de empregos, renda e maior movimento na economia local”, descreveu Verruck.

O secretário ainda citou uma ação junto a agricultura familiar para fornecimento de hortifrúti aos alojamentos. “Temos que entender que será a maior indústria de celulose do mundo, por isso teremos que dar a devida sustentação à população local, para que tenham todo o atendimento do setor público e também se aproprie deste desenvolvimento”.

Leonardo Rocha, Subcom
Fotos: Saul Schramm

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo