BrasilCPIPolítica

Os senadores da CPI vão ouvir autor de estudo contra ‘kit Covid’ e desiste de Queiroga

Senadores da comissão desistiram de um novo depoimento — seria o terceiro — do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e no lugar pretendem convocar o médico Carlos Carvalho.

O grupo majoritário da CPI da Covid decidiu nesta terça-feira, dia 12 de outubro, alterar o cronograma para os últimos dias de trabalho da comissão. Senadores da comissão desistiram de um novo depoimento — seria o terceiro — do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e no lugar pretendem convocar o médico Carlos Carvalho.

Senado e Câmara têm 15 dias para votar reforma eleitoral — Senado Notícias

Carvalho é o responsável por coordenar um estudo com parecer contrário ao uso dos remédios do chamado “kit Covid” no combate ao coronavírus. O estudo seria avaliado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do Sistema Único de Saúde (Conitec), mas foi retirado da pauta do órgão. Propagandeados pelo presidente Jair Bolsonaro ao longo de toda a pandemia, os medicamentos são comprovadamente ineficazes contra a doença.

O depoimento de Carvalho ainda não foi aprovado. A comissão deve realizar uma reunião extraordinária na próxima sexta-feira (15) para votar o requerimento de convocação do médico.

Nos bastidores, aos menos três senadores da CPI já tiveram uma conversa informal com o médico Carlos Carvalho em busca de entender melhor as conclusões do estudo sobre o uso do chamado “kit Covid”.

A avaliação foi a de que o depoimento dele será mais importante que o de Queiroga e servirá para dar uma “sentença final” sobre a prescrição de determinados remédios para o enfrentamento à doença.

“Pela conversa que tivemos com o doutor Carlos, nós julgamos que o depoimento dele é o mais importante. Vai botar uma pedra em definitivo nesse assunto, e ele tem uma posição muito contundente contra a cloroquina. Além do mais, o depoimento dele tornará público o que a Conitec tem de resolver”, afirmou ao g1 o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

 

Fonte G1.

Redação Gdsnews.

 

 

 

 

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo