BrasilDestaquesEsporte

Cruzeiro acumula uma finalização a cada quatro minutos, mas para em erros, goleiro e trave

Time celeste soma 23 conclusões de jogadas em 94 minutos de jogo contra o Corinthians, porém, não sai do 0 a 0 e chega a oito jogos seguidos sem vitória na temporada

Não foi por falta de chances – nem todas de qualidade, claro. Mas o Cruzeiro tentou de várias formas. Quando não achou espaço, chutou de longe. Quando tocou a bola, penetrou na área. Quando teve bola parada, levou perigo. Foram 23 finalizações, em 94 minutos de jogo, o que dá uma média de um arremate a cada quatro minutos. Porém, o 0 a 0 com o Corinthians insistiu em permanecer no placar, aumentando o jejum da equipe celeste.

Agora, são oito jogos seguidos sem vitória em 2019. A maior série sem vencer do time das últimas sete temporadas. Além do empate deste sábado, a seqüência registra derrotas para Emelec (Libertadores), Internacional, Fluminense e Chapecoense (Brasileiro), e empates com São Paulo (Brasileiro) e duas vezes com o Fluminense, ambas pela Copa do Brasil, sendo que o time mineiro se classificou as quartas de final nos pênaltis.
No empate com o Corinthians, o Cruzeiro encontrou vários obstáculos. No primeiro tempo, foi um jogo em “câmera lenta”. O time pouco ousou. Na maioria das vezes, aceitou a marcação do Corinthians, foi previsível, o que facilitou ao sistema defensivo adversário – algo que, por outro lado, também aconteceu com o ataque paulista.

Foram 10 chances para a Raposa, mas grande parte em chutes de fora da área, sem dar muito trabalho ao goleiro Walter (veja exemplo no vídeo acima). Em uma rara tentativa de troca de passes e velocidade, o Cruzeiro criou bom momento. Thiago Neves arrancou do meio-campo, deixou para Pedro Rocha, que limpou o lance na frente de Michel e chutou em cima do goleiro do Corinthians.

– Os momentos que chegamos foi com a bola no pé, não com bola longa. Quando o Fred está, ele segura bem (lançamentos). Com o Sassá, não é muito a (característica) dele. Temos que sair tocando – disse o camisa 10.

Com poucos segundos da etapa final, o Cruzeiro mostrou mais disposição. Porém, Robinho e Sassá falharam na finalização. Depois, o time quase abriu o placar com Dedé, que parou na grande defesa de Walter. Entrou em cena, então o goleiro do Corinthians. Graças a ele, o time mineiro ficou no 0 a 0. Dedé, David, Pedro Rocha, e Dodô deram trabalho ao goleiro. Quando não deu para Walter, a trave salvou o Corinthians, como no chute de Dodô.

O Cruzeiro não fez e passou sustos, mas contou, mais uma vez, com o goleiro Fábio. E também com a sorte, já que o voleio de Gustavo tirou tinta da trave.

Mano Menezes segue com o trabalho de resgate do Cruzeiro, que, no começo da temporada, foi um dos destaques do futebol brasileiro. Antes da parada para a Copa América, o time tem mais uma chance de reagir. Nesta quarta-feira, a Raposa enfrenta o Fortaleza, no Ceará.

– Demos um passo, fizemos um bom jogo, não tomamos gol, fazia muito tempo que não levávamos gol. Temos que ir de passo em passo, não é como todos gostariam, mas eu prefiro que continue assim – ressaltou Mano Menezes.

Por GloboEsporte.com — de Belo Horizonte

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo