BrasilFixoPolícia

STJ nega habeas corpus a Glaidson, que segue preso por esquema ilegal de bitcoins

Desembargador também considerou o potencial risco de fuga e a possibilidade de lesão irreversível aos investidores.

Glaidson Acácio dos Santos foi preso em agosto pela Justiça Federal, suspeito de liderar fraude bilionária. Desembargador também considerou o potencial risco de fuga e a possibilidade de lesão irreversível aos investidores. O desembargador Jesuíno Rissato, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou um pedido de habeas corpus para o empresário Glaidson Acácio dos Santos. Ele foi preso em 25 de agosto, na Operação Kryptos, suspeito de chefiar um esquema ilegal de criptomoedas que movimentou “cifras bilionárias”.

Na decisão, o desembargador apontou indícios de movimentações financeiras atípicas que chegariam a bilhões de reais, valores que estariam sendo remetidos ao exterior — uma possível forma de ocultar o patrimônio investigado. Rossato também considerou o potencial risco de fuga dos investigados e a possibilidade de lesão irreversível aos investidores.

 

 

 

 

A defesa de Glaidson tinha entrado com o pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). A liminar foi negada, mas não houve ainda o julgamento de mérito.

Ao renovar o pedido no STJ, a defesa do empresário questionou a competência da Justiça Federal para o caso e alegou que o mercado de criptomoedas não integra o Sistema Financeiro Nacional. Desta forma, Glaidson não poderia ser acusado de ter praticado crime algum.

Sem entrar no mérito das alegações da defesa, o desembargador destacou que a jurisprudência do STJ não admite a utilização do habeas corpus para questionar decisão de relator que negou a liminar no tribunal de origem.

As investigações da PF apontam a suspeita de prática de crimes contra o sistema financeiro, organização criminosa e lavagem dinheiro.

Em uma outra investigação realizada Policia Civil do RJ, Glaidson é suspeito de praticar crimes contra a economia popular, que é explorar o esquema de pirâmide e lavagem de dinheiro.

Glaidson está preso no sistema penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. Sua mulher, Mirelis Zerpa está foragida.

 

Fonte G1.

Redação Gdsnews.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo