Campo GrandeDestaquesEleiçõesPolítica

Ricardo Ayche surge como sendo uma grande força na disputa da prefeitura de Campo Grande

O presidente da Cassems vem pavimentando sua pré candidatura e promete um bom embate político

Enquanto algumas pessoas acreditam, que o atual prefeito Marquinhos Trad, não terá dificuldade na campanha a sua reeleição, o presidente da Cassems, Ricardo Ayche, vem recebendo muitos pedidos e apoios de sindicatos importantes e outros classistas para que ele saia candidato a prefeito de Campo Grande.

 

Com um currículo invejável, e um trabalho espetacular a frente da Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul, uma espécie de plano de saúde de assistência médica hospitalar do estado, que inclusive já virou referência nacional, Ricardo Ayche, está preparadíssimo para administrar a capital sul-mato-grossense.

 

Com um trabalho comprovado e aprovado por milhares de associados e usuários a frente da Cassems, Ayche vem pavimentado sua pré candidatura já há algum tempo. Durante todo esse tempo lideranças políticas e classistas tem insistido para que ele saia candidato. Ricardo disse que vem avaliando o atual cenário da política regional para buscar meios no sentido de ampliar esse quadro. Essa é a tônica que deve ser seguida pelo PSB de Mato Grosso do Sul, que está desde o ano passado sob o comando de Ricardo Ayache.

 

Candidato ao Senado pelo PT em 2014, Ayache, quando apesar das dificuldades enfrentadas teve uma boa desenvoltura política. “Queremos sempre ampliar [quadro de filiados e representativa política]. Não vamos agora ficar colocando números e estabelecendo metas, pois estamos começando um trabalho desafiador. Vamos avaliar esse novo cenário político antes”, revela o comandante da sigla socialista no Estado.

 

A época, Ayache foi convidado pela executiva nacional do partido para substituir Elizeu Dionizio no comando da legenda, com a missão de reorganizá-la. Atualmente, o partido conta em MS com alguns prefeitos, vices e vereadores, números que Ricardo pretende aumentar significativamente nas próximas eleições.

 

Sobre possíveis nomes que podem chegar ao partido, como os que estão de saída de outras siglas, o pré candidato a prefeito de Campo Grande, preferiu não falar em nomes, pelo menos por enquanto. Ayache frisa que já iniciou conversações com algumas lideranças sobre mudança partidária, mas que só vai falar a respeito, no momento oportuno. Já quanto sua dupla função à frente do partido e da Cassems, ele destaca que não há influência de uma posição sobre a outra. “São coisas distintas, não posso misturar política partidária com isso”, comenta.

A Redação.

Mostrar Mais

Relacionados

Close
Close