BrasilFixoPolíticaSaúde

Mundo ultrapassa a marca de 500 mil mortes pelo novo coronavírus

Após seis meses desde primeiros relatos, doença continua se disseminando, sobretudo nas Américas; EUA e Brasil são países com mais óbitos

Homem caminha sem máscara em frente a grafite no Bairro do Estácio, Zona Norte do Rio de Janeiro Foto: Luiza Moraes / Agência O Globo

O Globo e agências internacionais

O mundo ultrapassou, neste domingo, a marca de 500 mil mortos pelo novo coronavírus. É o que aponta o levantamento feito pela Universidade Johns Hopkins, que se baseia nos dados oficiais de cada país. Ao todo, mais de 10 milhões de pessoas se infectaram com a doença altamente contagiosa.

Os países com maior número absoluto de óbitos pela Covid-19 são, por ordem, Estados Unidos (125.714), Brasil (57.070), Reino Unido (43.634), Itália (34.738) e França (29.781). Já em relação a casos confirmados, os países dos presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro se mantêm na primeira e segunda posição, respectivamente. Depois, estão Rússia (633.542), Índia (528.859) e Reino Unido (312.640).

O número de infecções pelo novo coronavírus no Brasil é de 1.323.069, indica o último boletim do domingo, 28, do consórcio de veículos de imprensa formado por O Globo, Extra, G1, Folha de S. Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo.

Enquanto não há vacina ou medicamento de eficácia comprovada contra a Covid-19, o coronavírus segue avançando pelo Brasil em meio às iniciativas de flexibilização do distanciamento social em várias capitais do país.

O mesmo acontece nos Estados Unidos, que registraram nos últimos quatro dias recordes de contágio, elevando o total para mais de 2,5 milhões.

Nos EUA, o aumento de casos está concentrado em grande parte no Sul e no Oeste americanos. Os estados da Costa Leste, inicialmente os mais atingidos, conseguiram controlar a disseminação da Covid-19, mas o vírus está se espalhando por regiões que abandonaram precocemente as medidas de isolamento social.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou, na última quinta-feira, para o aumento de casos na Europa, onde muitos países já avançam na retomada das atividades. Na semana passada, o continente teve um aumento no número de casos semanais pela primeira vez em meses.

Por causa disso, alguns países precisaram recuar na flexibilização do isolamento. Um dos casos é o da Alemanha, que determinou o retorno do confinamento a uma região ondem vivem 600 mil pessoas devido ao surgimento de um foco de infecções no maior matadouro da Europa. Portugal também reinstituiu a quarentena em alguns bairros de Lisboa.

A China, onde o novo coronavírus surgiu em dezembro e que conseguiu controlar a pandemia com uma quarentena rígida, está passando por um novo surto, desta vez em Pequim, com pouco mais de 300 casos. Neste domingo, quase meio milhão de pessoas foram postas em isolamento no cantão de Anxin, localizado 60 quilômetros ao sul da capital, na província de Hebei.

Na semana passada, autoridades de saúde da Coreia do Sul disseram pela primeira vez, nesta segunda-feira, que o país está encarando uma “segunda onda” de novas infecções da Covid-19. O novo surto, na capital, Seul, foi impulsionado por causa de um feriado em maio, de acordo com o governo.

Mostrar Mais
Close
Close