BrasilConflitoDestaquesPolítica

Moro vai tirar licença em meio a desgaste com mensagens

A assessoria de imprensa da pasta informou que o ministro entrará de férias.

Em meio à crise aberta com a divulgação de mensagens trocadas com o procurador Deltan Dallagnol, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deve tirar uma licença entre a próxima segunda-feira (15 de julho) e a sexta (19). Segundo despacho publicado nesta segunda (8) no Diário Oficial da União, o motivo do afastamento temporário de Moro será para “tratar de assuntos particulares.” A assessoria de imprensa da pasta informou que o ministro entrará de férias.

 

Como ainda não pode tirar férias oficialmente, por ter começado a trabalhar no ministério em janeiro, Moro optou por uma licença não remunerada. Durante a ausência de Moro, o secretário executivo Luiz Pontel responderá interinamente pelo ministério.

Apesar de contar com o apoio implícito do presidente Jair Bolsonaro, e de boa parte da opinião publica, que aplaude as ações, que ele tomou enquanto juiz, a frente da operação Lava Jato, muitos especialistas, acham que a saída de moro nestas “férias forçadas”, pode ser o fim de seu ciclo como ministro no atual governo. Inclusive alguns amigos, aconselheram-no a repensar sobre o caso.

Uma pessoa próxima a ele, que preferiu se manter no anonimato, disse que o aconselhou, a não tomar essa medida e disse a ele “Moro, é melhor você ficar, se sair, você corre o risco de não voltar”. Mesmo assim, ele já tomou a decisão, e vai se manter longe do cargo, por pelo menos alguns dias.

 

Moro enfrenta críticas desde o início de junho, quando o site The Intercept Brasil publicou uma série de mensagens trocadas entre ele e Dallagnol que indicam interferência do então juiz da Lava Jato na atuação dos procuradores.

 

O conteúdo mostra Moro sugerindo a inversão da ordem de operações e dando pistas de investigações. Moro diz não reconhecer a autenticidade das mensagens obtidas pelo site e nega ter cometido ilegalidades na condução da Lava Jato.

 

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo e do Intercept deste domingo (7) revelou ainda que integrantes da força-tarefa da Lava Jato se mobilizaram para expor informações sigilosas sobre corrupção na Venezuela após receberem uma sugestão de Moro em agosto de 2017, também segundo mensagens privadas trocadas pelos procuradores na época.

 

Fonte Yahoo Notícias.

Mostrar Mais

Relacionados

Close
Close