Ação CriminosaBrasilFixoPolícia

Falsa enfermeira teria começado a vacinar no início de março, diz PF que investiga imunização de empresários em Belo Horizonte

Irmãos Lessa são suspeitos de organizarem esquema que teria imunizado 57 pessoas. 'Tudo indica' que vacinas eram falsas, diz delegado da PF.

A Polícia Federal está investigando se a falsa enfermeira, suspeita de vacinar empresários em uma garagem na capital, já imunizou outras pessoas. O primeiro registro encontrado é do início de março. Na semana que vem, 57 pessoas que aparecem em uma lista encontrada durante buscas feitas pela Operação Camarote vão começar a ser ouvidas no inquérito.

Irmãos do ex-senador Clésio Andrade teriam tomado vacina clandestina, diz PF

Ex-senador suspeito de tomar vacina falsa diz que se imunizará na rede pública

Vacinação clandestina contra a Covid-19 em BH: veja o que se sabe e o que falta saber

Nesta quinta-feira (2) a TV Globo teve acesso, com exclusividade, ao laudo pericial que confirma que parte do material apreendido na casa da cuidadora de idosos Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas é soro fisiológico, e não vacina contra a Covid-19.

Apesar de ter chegado a essa conclusão, ainda não se pode afirmar que o que foi aplicado em quem esteve na garagem da Família Lessa, local onde aconteceu a vacinação no dia 23 de março, é mesmo o soro. Segundo a PF, o laudo só reforça a tese de que as vacinas aplicadas seriam falsas.

Cláudia é suspeita de se passar por enfermeira. Ela teria vacinado pelo menos 57 pessoas em uma garagem da família Lessa, que comanda grande parte das empresas de transporte da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Robson Lessa e Rômulo Lessa admitiram que organizaram a imunização que seria contra Covid-19.

Laudo confirma que parte de material era soro fisiológico — Foto: Polícia Federal/Reprodução

Laudo confirma que parte de material era soro fisiológico — Foto: Polícia Federal/Reprodução

“Os resultados dos exames são compatíveis com a descrição contida no rótulo do produto, ou seja, que o mesmo se trata de produto farmacêutico denominado soro fisiológico (solução cloreto de sódio)”, diz o documento.

As embalagens foram encontradas lacradas, sem sinal de adulteração ou violação.

A Polícia Federal também encontrou pacotes com informação sobre vacinas contra gripe e ampolas. Ainda não há informações sobre estas substâncias.

Por enquanto, não há indícios da presença de vacinas contra a Covid-19 no material apreendido.

‘Tudo indica’ que vacinas sejam falsas

Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas — Foto: Reprodução/TV Globo

Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas — Foto: Reprodução/TV Globo

Uma das três linhas de investigação da Polícia Federal sobre o esquema de vacinação clandestina envolvendo políticos e empresários do setor de transporte de Belo Horizonte vem ganhando força à medida que a Operação Camarote avança. Os imunizantes aplicados não seriam realmente contra a Covid-19, mas sim falsificados.

“Pelos indícios do material que foi identificado, tudo indica que seja material falso”, disse o delegado Rodrigo Morais Fernandes.

Supostas vacinas contra a Covid-19 apreendidas pela Polícia Federal em BH. — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Supostas vacinas contra a Covid-19 apreendidas pela Polícia Federal em BH. — Foto: Polícia Federal/Divulgação

O delegado Leandro Almada havia adiantado à TV Globo três linhas de investigação: supostamente, pode ter havido a importação irregular ou ilegal de imunizantes; também há hipótese de desvio de imunizantes pelo Ministério da Saúde; e fraude. Já as seringas de 3 ml, também encontradas na casa da falsa enfermeira, são indicadas para este fim.

Procurada, a defesa de Cláudia Mônica não se manifestou sobre o assunto.

Irmão Lessa admitem vacinação

Os irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da empresa de transportes Saritur, admitiram em depoimento à Polícia Federal, realizado na segunda-feira (29), que compraram vacinas contra a Covid-19.

Família Lessa, que é investigada por suposta vacinação clandestina, comanda mais de 180 linhas de ônibus na Grande BH

PF e MPF investigam se empresários do transporte foram vacinados ilegalmente contra Covid em MG

O valor cobrado por duas aplicações foi de R$ 600.

PF cumpre mandados em casa de falsa enfermeira — Foto: Reprodução/TV Globo

PF cumpre mandados em casa de falsa enfermeira — Foto: Reprodução

De acordo com a PF, a mulher, que fingia ser enfermeira, tem passagem por furto e também teria comercializado a vacina falsificada, importada ilegalmente ou desviado do Ministério da Saúde para outras pessoas em Belo Horizonte, além dos investigados na operação Camarote.

A PF investiga a origem das vacinas vendidas para identificar se são realmente falsificadas ou importadas de maneira ilegal. Um mandado foi cumprido em uma clínica.

Rômulo Lessa, de camisa escura, chega acompanhado do irmão, Robson Lessa, na Polícia Federal — Foto: Reprodução/TV Globo

Rômulo Lessa, de camisa escura, chega acompanhado do irmão, Robson Lessa, na Polícia Federal — Foto: Reprodução

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos na garagem onde supostamente ocorreu a vacinação e em residências dos empresários. Aparelhos celulares, computadores e documentos, incluindo uma lista com 57 nomes de pessoas que teriam se vacinado clandestinamente, foram apreendidos.

A defesa de Robson e Rômulo Lessa informou que os irmãos não vão se manifestar. Disse apenas que eles foram ouvidos como testemunhas no inquérito e não como investigados

A operação foi deflagrada após reportagem da revista Piauí, publicada no dia 24 de março, quando foi revelada por meio de vídeos a vacinação clandestina de empresários e políticos dentro de uma das garagens de empresas comandadas pelos irmãos Lessa.

Fonte G1.

Redação Gdsnews.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar