BrasilCorrupçãoDestaquesPolícia

Ex-governador Sérgio Cabral ficará em isolamento por um mês por instalação de ‘videoteca’ em presídio do Rio

De acordo com a punição, Cabral tomará banho de sol afastado dos outros detentos e não poderá receber visitas durante esse período.

O ex-governador Sérgio Cabral ficará sem receber visitas por um mês no presídio de Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. A informação foi confirmada ao G1 pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do RJ nesta segunda-feira (24).

O órgão acrescentou que a punição a Cabral inclui, durante esses 30 dias, ficar em isolamento na própria cela e tomar banho de sol afastado dos outros detentos.

As restrições são conseqüência do julgamento final de um processo disciplinar de 2017, sobre a instalação de uma “videoteca” na cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica – um dos locais onde Cabral ficou preso.

Um dos recintos do presídio recebeu uma televisão de 65 polegadas, um home-theater com seis caixas de som e 160 filmes. O espaço foi compartilhado com os demais detentos.

Doação forjada
Após a sala ser descoberta, os equipamentos foram doados para um orfanato.

O Ministério Público do RJ investigou o caso. A videoteca seria uma doação de igrejas evangélicas, mas o documento que firmava a cessão era falso. Segundo o promotor responsável pelo caso, o termo foi redigido de dentro da penitenciária, e os equipamentos estavam lá antes da assinatura da doação.

O pastor que assinou o termo afirmou, em nota, que foi levado para a biblioteca por Cabral, que o convenceu da necessidade de assinatura de um representante da instituição religiosa para uso do equipamento, de maneira comum, pelos detentos.

Data do leilão
Em outra ação, a Justiça autorizou o leilão de bens do ex-governador. A Justiça também autorizou a venda de bens de Sérgio Cabral, Eike Batista e Carlos Miranda. O leilão vai acontecer nos dias 4 e 18 de julho na sede da Justiça Federal no Estado do Rio de Janeiro.

O lote de bens inclui a Lamborghini que decorava a sala de Eike Batista e a lancha Manhattan, que vale R$ 3 milhões, cuja propriedade foi atribuída ao ex-governador. Os bens foram apreendidos durante a força-tarefa da Lava Jato.

Por G1 e TV Globo

Mostrar Mais

Relacionados

Close
Close